Uma equipe interdisciplinar de pesquisadores da Universidade Técnica de Munique (TUM) revelou que o uso de Bitcoin causa cerca de 22 megatons em emissões de CO2 por ano. Esse montante é comparável ao total de emissões de cidades como Hamburgo ou Las Vegas.

Quadruplicado em 2018

Embora o Bitcoin seja uma moeda virtual, o consumo de energia associado ao seu uso é muito real. A mineração de bitcoin é muito intensiva em energia e o processo aumentou rapidamente nos últimos anos, tendo quadruplicado apenas em 2018.

Muitos estudos tentaram calcular o nível de emissões causadas pela mineração de Bitcoin. “Esses estudos são baseados em uma série de aproximações, no entanto”, disse Christian Stoll, que realiza pesquisas na Universidade Técnica de Munique (TUM) e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

Para evitar isso, uma equipe de pesquisadores em ciências da administração e informática da TUM adotou uma abordagem semelhante a um detetive para o seu cálculo, a fim de obter dados conclusivos.

Eles iniciaram o processo com o consumo de energia da rede. “Hoje são usados ​​sistemas especiais, conhecidos como mineradores baseados em ASIC”, explicou Stoll.

Em 2018, os três fabricantes que controlam o mercado de minas da ASIC planejaram IPOs. Usando os registros obrigatórios do IPO, a equipe calculou as participações de mercado dos respectivos produtos das empresas.

Consumo anual de eletricidade Bitcoin

Os pesquisadores calcularam que o consumo anual de eletricidade do Bitcoin, a partir de novembro de 2018, seria de cerca de 46 TWh. A questão seguinte foi quanto CO2 esse consumo gerou. A resposta para essa pergunta estava nos locais dos mineiros.

A equipe usou dados de rastreamento em tempo real dos pools de mineração para obter suas estimativas. “Nesses grupos, as mineradoras combinam seu poder de computação para obter uma guinada mais rápida na recompensa pela solução de quebra-cabeças – semelhante a pessoas em grupos de loteria”, explicou Stoll.

Usando os endereços IP, a equipe conseguiu localizar 68% do poder de computação da rede Bitcoin nos países asiáticos, 17% nos países europeus e 15% na América do Norte. No final, a pegada de carbono total do sistema Bitcoin foi entre 22 e 22,9 megatoneladas por ano, ou 2,2×107 Tonelada métrica [t].

“Naturalmente, existem fatores maiores que contribuem para a mudança climática. No entanto, a emissão de carbono é grande o suficiente para discutir a possibilidade de regular a mineração com criptomoeda em regiões onde a geração de energia é especialmente intensiva em carbono”, disse Christian Stoll.

“Para melhorar o equilíbrio ecológico, uma possibilidade pode ser ligar mais fazendas de mineração a capacidade adicional de geração renovável”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.