Com o objetivo de criar drones mais manobráveis enquanto voam pelo ar, pesquisadores da Universidade de Stanford recorrem aos pássaros em busca de inspiração.

Um grupo de pesquisadores do Lentink Lab, da Universidade de Stanford, desenvolveu um robô voador com um design de asa semelhante ao de um pombo.

Preparando-se para um mundo de drones

Apelidado de PigeonBot, o drone é capaz de estender suas asas, dobrá-las e se mover de maneira semelhante aos pássaros. Ao tornar os drones menos rígidos e mais parecidos com pássaros, eles poderão manobrar em espaços menores e lidar com ventos mais severos.

Num futuro em que os drones estejam entregando pacotes para as massas, será necessário navegar por espaços apertados e em torno de prédios e árvores.

“Os pássaros podem alterar dinamicamente o formato de suas asas durante o vôo”, escreveram os pesquisadores em um dos dois estudos publicados sobre o assunto. “Como isso é realizado é pouco compreendido.”

Pesquisadores examinam pombos mortos

Para determinar como os pombos controlam suas asas, eles estudaram as asas dos pombos mortos. Através de seus experimentos, eles aprenderam que os ângulos das articulações afetavam o alinhamento das penas usadas no vôo. O ângulo das penas de vôo determina o formato da asa.

“Sempre que o esqueleto se move, as penas são redistribuídas passivamente através da complacência do tecido conjuntivo elástico na base da pena. Para impedir que as penas se espalhem muito longe, as microestruturas em forma de gancho nas penas adjacentes formam um fixador direcional que trava as penas adjacentes”, os pesquisadores escreveram.

Armado com esse conhecimento, eles usaram penas de pombo reais para construir o robô voador. O PigeonBot tem 42 graus de liberdade que controlam a posição de 40 penas conectadas elasticamente por meio de quatro articulações.

“Nossos testes de vôo demonstram que as asas de penas macias se transformam de maneira rápida e robusta sob carga aerodinâmica. Elas não apenas permitem a transformação da asa, mas também tornam as interações do robô mais seguras, a asa mais robusta ao impacto e a asa reparável por meio de ‘preening'”, escreveram os pesquisadores em outro estudo. “Nos testes de vôo, descobrimos que o movimento assimétrico pode iniciar manobras de curva – evidência de que os pássaros podem usar os dedos para dirigir em voo”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.