Os robôs estão se tornando cada vez mais presentes em todas as áreas da vida. Alguns chegam a temê-los afirmando que há um robocalípse a caminho. Embora isso pareça muito improvável, e até agora os robôs foram em grande parte úteis, há áreas em que os robôs são bastante indesejáveis. Um novo estudo da Cornell University descobriu que as pessoas não gostam de ser agredidas por robôs em competições por prêmios em dinheiro.

Uma competição com robôs

O estudo descobriu ainda que isso fazia com que as pessoas se sentissem menos competentes, gastassem menos esforço tentando ganhar e também fizessem com que elas não gostassem dos robôs. Isso é natural se você acha que as habilidades superiores dos robôs para certas tarefas podem simplesmente não ser vencidas.

A nova pesquisa viu a colaboração de economistas comportamentais e roboticistas para testar as reações das pessoas em robôs que tiveram um desempenho melhor do que eles. Os resultados validaram as teorias dos economistas comportamentais sobre a aversão à perda.

A aversão à perda dita que as pessoas não tentarão tão duramente quando seus concorrentes estiverem se saindo melhor. No caso dos robôs, há também o fato de que essas máquinas são programadas para serem muito melhores em certas tarefas, levando a uma clara vantagem sobre os humanos.

O estudo viu humanos competindo contra um robô em uma tarefa tediosa, mas precisa. Ambos tiveram que contar o número de vezes que a letra G apareceu em uma sequência de caracteres.

O experimento também teve uma tela indicando suas chances de ganhar em cada momento. Após cada rodada, os participantes classificaram a competência do robô, sua própria competência e a simpatia do robô.

O estudo revelou que, quanto mais o robô se saísse melhor, menos os participantes classificariam sua capacidade de gostar e sua própria competência. O estudo destina-se a analisar como os locais de trabalho podem otimizar equipes de pessoas e robôs trabalhando juntos para evitar esses resultados negativos.

Compartilhando locais de trabalho

“Humanos e máquinas já compartilham muitos locais de trabalho, às vezes trabalhando em tarefas semelhantes ou até mesmo idênticas”, disse Guy Hoffman, professor assistente na Escola Sibley de Engenharia Mecânica e Aeroespacial. Hoffman e Ori Heffetz, professor associado de economia na Samuel Curtis Johnson Graduate School of Management, são os principais autores do estudo.

“Pense em um caixa trabalhando lado a lado com uma máquina de check-out automático ou com alguém operando uma empilhadeira em um depósito que também emprega robôs ao lado deles”, disse Hoffman.

“Embora seja tentador projetar esses robôs para uma produtividade ideal, engenheiros e gerentes precisam levar em consideração como o desempenho dos robôs pode afetar o esforço e as atitudes dos trabalhadores humanos em relação ao robô e até mesmo a si mesmos. Nossa pesquisa é a primeira a especificamente lança luz sobre esses efeitos”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.