Errou por 65 toneladas e 12 metros de comprimento quem pensou que  A380 é o mais pesado e maior avião do mundo. O Antonov AN-225 é capaz de decolar com um peso máximo de até 640 toneladas.

Criado ainda nos tempos da antiga União Soviética, o AN-225, também chamado de “Mriya” (“Sonho”, em ucraniano).

A origem do super avião está  ligada ao programa especial soviético, que no início dos anos 1980 corria para alcançar os avanços descobertos nos Estados Unidos. Então, naquele tempo a Nasa havia iniciado uma série de voos regulares ao espaço com os novíssimos ônibus espaciais, veículos desenvolvidos em década anterior e que podiam ser recuperados após as viagens orbitais e lançadas novamente em outras oportunidades.

Em terras norte-americanas, os primeiros testes aerodinâmicos e voos nos anos 1970 com os Space Shuttle foram realizados com a ajuda de um Boeing 747-400 adaptado para carregar o veículo especial na parte superior da fuselagem, no que foi um dos maiores espetáculos da aviação. Para desenvolver o modelo na URSS seria necessário aplicar a mesma técnica, mas o país não possuía uma aeronave capaz de carregar o “Buran”, como foi batizado o primeiro ônibus espacial soviético.

O programa espacial da URSS precisava de um meio para transportar o pesado ‘Buran’ em testes de voo
O programa espacial da URSS precisava de um meio para transportar o pesado ‘Buran’ em testes de voo

Como estava envolvida no programa espacial soviético, a fabricante ucraniana Antonov propôs então ampliar o design básico do Ruslan, acrescentando anéis de extensão na fuselagem e aumentando a envergadura das asas para instalar mais dois motores turbofan, cada um com 23,4 mil kgfm de empuxo.

Com as tais modificações, os engenheiros então concluíram que seria possível transportar o Buran sobre a fuselagem daquele que seria o maior e mais pesado avião do mundo.

O AN-225 foi desenvolvido em cerca de seis anos (Antonov)
O AN-225 foi desenvolvido em cerca de seis anos (Antonov)

 

O primeiro a até hoje único AN-225 voou pela primeira vez em 21 de dezembro de 1988 (Antonov)
O primeiro a até hoje único AN-225 voou pela primeira vez em 21 de dezembro de 1988 (Antonov)

O 1º protótipo voou em 21 de dezembro de 1988 e no ano seguinte a enorme aeronave seria apresentada junto ao Buran com orgulho pelos soviéticos em shows aéreos pela Europa, como no ‘Paris Air Show’, deixando todos os expectadores impressionados diante do maior avião do mundo e seu companheiro “espacial”.

A Nasa já transportava o ônibus espacial na parte superior do Boeing 747 (NASA)
A Nasa já transportava o ônibus espacial na parte superior do Boeing 747 (NASA)

Com o AN-225 concluído, o programa espacial soviético pode continuar com o desenvolvimento do Buran e começou a a progredir. Foram realizados 24 voos de teste com o Buran acoplado ao AN-225.

O AN-225 e o Buran foram apresentados nos principais festivais aéreos da Europa (Antonov)
O AN-225 e o Buran foram apresentados nos principais festivais aéreos da Europa (Antonov)

No entanto, já eram os últimos anos da política comunista e não havia mais recursos para manter os dispendiosos projetos aeroespaciais soviéticos. E então, em 31 de dezembro de 1991, a União Soviética entrou em colapso e foi oficialmente declara extinta.

O conjunto Mriya-Buran realizou 24 voos de testes até o colapso da URSS (Antonov)
O conjunto Mriya-Buran realizou 24 voos de testes até o colapso da URSS (Antonov)

O retorno

O AN-225 voltou a voar em 1999 pela Antonov Airlines em transporte de cargas pesadas (Antonov)
O AN-225 voltou a voar em 1999 pela Antonov Airlines em transporte de cargas pesadas (Antonov)

 

As cargas são embarcadas pela parte frontal do Mriya (Antonov)
As cargas são embarcadas pela parte frontal do Mriya (Antonov)

 

Enviar cargas pelo AN-225 pode custar mais de US$ 300 mil (Antonov)
Enviar cargas pelo AN-225 pode custar mais de US$ 300 mil (Antonov)

O consumo de combustível do AN-225 com carga máxima beira o absurdo: são necessários 95 mil litros de querosene para realizar um voo de 5.000 km.

O compartimento de carga do Mriya permite armazenar objetos com até 70 metros de comprimento e quase 10 m de largura. O trem de pouso do AN-225 é outra parte impressionante desse avião: na frente são quatro rodas e na parte principal são mais 28. Com carga máxima, o Mriya precisa de uma pista com pelo menos 3 km de extensão para decolar e mais 3,4 km para pousar e parar com segurança.

O trem de pouso do AN-225 possui 32 rodas (Antonov)
O trem de pouso do AN-225 possui 32 rodas (Antonov)

Por dentro do AN-225

ANTONOV_AN-225_07

ANTONOV_AN-225_16

ANTONOV_AN-225_17

Em fevereiro de 2010, a Antonov Airlines foi contratada pela Petrobras para transportar pesadas bombas de óleo importadas dos EUA, serviço que designado ao AN-225.

 

Se fosse convertido para transportar passageiros, teria espaço para cerca de 1.500 assentos, algo como três Airbus A380…

De acordo com AirWay

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.