A Boeing, fabricante de aviões envolvidos, identificou outro problema com o 737 Max, que está parado desde que dois acidentes mataram 346 pessoas.

De acordo com um relatório do New York Times, quando o avião estava passando por uma auditoria da Administração Federal de Aviação dos EUA para obter aprovação para voar novamente, a Boeing descobriu problemas com a fiação que não havia sido relatada anteriormente.

Fios que controlam a cauda estão muito próximos

O New York Times, citando um engenheiro sênior da Boeing e três outros familiarizados com o assunto, informou que a Boeing disse à FAA que está investigando a proximidade de duas seções de fios entre si. Os fios controlam a cauda do avião e, devido à proximidade, podem criar uma situação em que há um curto-circuito. O jornal observou que isso poderia levar a um acidente se os pilotos não reagissem a um curto-circuito da maneira correta.

Em resposta ao novo relatório, a Boeing disse à mídia que sua principal prioridade é garantir que o 737 Max atenda a todos os requisitos regulatórios e de segurança e que a empresa esteja trabalhando em estreita colaboração com a FAA e outros reguladores. A última coisa que a empresa quer fazer é trazer o 737 Max de volta apenas para novos problemas de segurança. Um porta-voz disse à CNN que é muito cedo para dizer se o problema da fiação pode resultar em mudanças na forma como o avião é projetado.

A última revelação ocorre algumas semanas depois que o CEO Dennis Muilenburg renunciou à empresa. Muilenburg está sob intenso escrutínio desde os dois acidentes. Ele estava no comando desde 2015 e foi substituído pelo presidente do conselho da Boeing, David L. Calhoun. Calhoun assume o papel em 13 de janeiro.

Pouco antes da partida de Muilenburg, a Boeing disse que suspenderia a produção do 737 Max em janeiro, depois que a FAA não estava disposta a suspender a proibição do 737 Max em 2019.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.