“Um pouco de prática…”

Vamos pegar alguns dos  “ingredientes” mostrados anteriormente, e colocá-los em prática. E já que falamos em “escolas inovadoras”, vamos lá… Os “ingredientes” a utilizar serão:

– Os jovens de hoje: “buscam resultados em curto prazo…”

– Um dos “faça” de Peter Drucker: “a inovação deve estar dentro de conceitos estabelecidos, e ser claramente percebida…”

Ora, o “conceito estabelecido” é a aula tradicional, bem conhecida e utilizada… E onde está a inovação, que também deve ser “simples e concentrada, fazendo apenas uma coisa”? Simples…

Para atender aos dois “ingredientes”, podemos fazer com que o conteúdo (assunto da aula) seja dimensionado para que comece e termine na mesma sessão, sendo que ele deve ser colocado de modo com que os alunos percebam sua aplicação prática, na vida e/ou carreira. Os exercícios, reflexões e debates que ocorrerem deverão seguir a mesma “toada”.

Vai dar certo! Os alunos perceberão a importância do que está sendo ministrado, e poderão se interessar e aprender mais…

Se você for professor, experimente! Se for aluno, pense se não seria melhor!

Vamos praticar mais na próxima semana?

Por  Mario Augusto de Souza Nune

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.
Compartilhe:
Publicação anterior“Afinal de contas, inovar é complicado?”
Próxima publicação“E por falar em participação no mundo…”
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.