Cientistas da Irlanda projetaram um robô companheiro para melhorar a vida de pessoas idosas vivendo de forma independente em suas próprias casas ou em comunidades de aposentados.

Os especialistas da University Trinity College de Dublin apresentaram nesta quarta feira o “Stevie II”, uma versão avançada do primeiro robô de assistência social criado com Inteligência Artificial.

O novo modelo pode se tornar uma ferramenta de grande ajuda em asilos ou em centros onde residem pessoas idosas que sofrem problemas de mobilidade e precisam de uma experiência afetiva. “Quando lançamos o Stevie, ele vai pegar objetos, as pessoas vão poder interagir com ele, ter uma conversa ou pedir alguma informação”, disse em um comunicado a Niamh Donnelly, um especialista em TI da Trinity College.

Consequentemente, a próxima versão de Stevie teria um “componente social” mais definido, diz a especialista, que prevê que as próximas evoluções continuarão a explorar esse componente social do robô. “No futuro, gostaríamos de trabalhar na capacidade de Stevie de realizar uma conversa trivial. Isso é extremamente difícil, pois depende enormemente do contexto, então seria ótimo se eu pudesse desenvolver essa habilidade “, diz Donnelly.

Esta equipa multidisciplinar de cientistas planeja aumentar nos próximos meses com os drivers “Stevie II”, entre os quais contém um teste em um centro de cuidados de Cornwall (Reino Unido), vinculado ao projeto EPIC da União Europeia (UE).

Ao contrário de seu antecessor, “Stevie II” tem muito mais mobilidade e destreza, graças ao uso avançado de tecnologias sensoriais que permitem interagir de maneira mais inteligente com as pessoas e o ambiente. Assim, passou do desenvolvimento de tarefas simples, como lembrar os pacientes dos tempos de tomar medicamentos, aos mais sofisticados e, de fato, exigidos pelos idosos, como lhes dar acesso a determinadas tecnologias.

“Stevie II” tem funções de reconhecimento facial, que permitem que você saiba com quem você interage diretamente, além de entender e responder às suas mensagens. Para o aposentado Tony McCarthy, que participou deste projeto, a presença do robô lhe oferece “uma certa sensação de segurança”. “Eu tenho asma e isso me lembra quais medicamentos devo tomar. Mas a coisa mais importante é a capacidade de, por exemplo, telefonar diretamente para os serviços de emergência se alguém estiver incapacitado “, diz McCarthy, que mora em um centro de Dublin.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.