Com apoio do governo local, a empresa neozelandesa Emrod está trabalhando para tornar viável a distribuição de eletricidade sem fio. A tecnologia, que deve ser expandida nos próximos anos, já foi testado e funcionou para pequenas distâncias.

O “Wi-Fi” de eletricidade precisa ser transmitido por um caminho linear e sem obstáculos. A tecnologia tem como base a irradiação de ondas eletromagnéticas ponto-a-ponto. Essas ondas são emitidas por um elemento quadrado que substitui os cabos de eletricidade nos postes, e transformadas em energia elétrica com o auxílio de um dispositivo chamado retena, uma espécie de antena retificadora utilizada em transmissões via ondas de rádio.

Até agora, a Emrod teve êxito na transmissão de poucos watts à distância máxima de 30 metros. Greg Kushnir, CEO da empresa, explicou ao New Atlas que a maior dificuldade da tecnologia é mesmo encontrar um caminho livre e seguro para a transmissão. O desafio de perder a fidelidade do sinal pelo ar, um contratempo que normalmente seria apontado por especialistas, já foi superado.

“A eficiência de todos os componentes que desenvolvemos é muito boa, se aproxima de 100%. Grande parte da nossa perda de sinal está no transmissor, não no receptor. Para resolver esse gargalo, estamos utilizando os mesmos elementos eletrônicos que podem ser encontrados em qualquer sistema de radar, ou até mesmo em microondas caseiros”, diz Kushnir.

É comum que fios de eletricidade sejam ponto de pousos para passarinhos, mas, nesse caso, qualquer ave que passasse voando pela transmissão morreria eletrocutada. Para evitar esse tipo de acidente, o feixe de eletricidade é protegido por uma cerca de laser de baixa potência. Isso também impede que a rede seja interrompida por veículos altos como ônibus e caminhões.

Os passarinhos não são a única preocupação ambiental da empresa. A empresa afirma que sua tecnologia de eletricidade sem fio será muito mais sustentável que o tradicional. Primeiro pela razão óbvia de utilizar menos materiais, como plástico e cobre. Segundo porque, ao fornecer eletricidade aos locais onde a rede de fios não alcança, o serviço levará à inutilização os geradores de energia a diesel, cuja combustão libera gases nocivos ao meio ambiente.

“Temos uma abundância de energia hídrica, solar e eólica limpa disponível em todo o mundo, mas existem desafios dispendiosos ao fornecer essa energia utilizando os métodos tradicionais”, completou Kushnir. Pensando no futuro, ele projeta que a viabilidade de seu empreendimento alcance proporções maiores — ou, pelo menos, mais do que a distância de 30 metros.

Reprodução Emrod

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário