A arquiteta Cristina Machado disse que um dos pontos de maior interesse do público de arquitetos e designers no Brasil é a conservação do meio ambiente e com isso desenvolver projetos sustentáveis e eficientes tanto para residências quanto edifícios empresariais, industrias e nos locais de convívio publico e privado.

Eficiência energética e sustentabilidade na operação de uma empresa, de maneira geral, implica na escolha de fornecedores e matérias primas mais sustentáveis, eficiência nos processos internos, desenvolvimento também de produtos e serviços que consumam menos recursos ao longo de sua vida útil e até mesmo o seu fim, facilitando assim a sua reciclagem. Mas este conceito varia um pouco dentro do contexto de diferentes segmentos, como vamos ilustrar abaixo:

Na construção civil – Precon

É a aplicação de método de sustentabilidade em conjuntos Habitacionais (moradias em série). Toda a produção e a montagem de vigas tais como lajes, painéis, portas, janelas e tubulações são feitas pela construtora e segue altos padrões de sustentabilidade e claro de qualidade. O uso de soluções próprias de tecnologia permiti maior eficiência na ligação entre os elementos da estrutura, redução do tempo de fabricação e redução de mão de obra e menos descarte de resíduos nas obras. Fantástico, não é?

Na indústria química – Rhodia

É o desenvolvimento de fio têxtil de poliamida biodegradável. Ao contrário do fio de poliamida convencional, que pode levar cerca de mais de 50 anos para se decompor no meio ambiente, esse fio sofre biodegradação em menos de três anos. “Além de não deixar resíduos, o Amni Soul Eco acelera a geração de biogases nos aterros sanitários, contribuindo para a geração de energia elétrica”, destaca Renato Boaventura, diretor da unidade global de negócios têxteis da Rhodia Grupo Solvay.

Para saber mais sobre o desenvolvimentos de novas tecnologias, acesse aqui.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.