Os cientistas criaram, acreditem, por acidente, uma enzima mutante que degrada plástico de maneira rápida. A enzima foi encontrada na primeira bactéria que naturalmente evoluiu para comer plástico, em um depósito de lixo no país asiático Japão.

Ao estudar a estrutura detalhada da enzima produzida pelo organismo, os testes dos pesquisadores mostraram que a molécula se tornavam ainda melhores em quebrar o plástico PET (polietileno tereftalato) comumente utilizado em garrafas plásticas.

O avanço pode ajudar a resolver a crise global da poluição por esse tipo de material, permitindo pela primeira vez uma reciclagem completa dessas garrafas.

A bactéria foi descoberta em 2016. Desde então, uma equipe internacional de pesquisa tem analisado a enzima para ver como a mesma evolui. “O que aconteceu foi que melhoramos a enzima, o que foi chocante para nós”, disse o professor John McGeehan, da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, que chefiou a pesquisa.

A enzima mutante leva alguns dias para começar a quebrar o plástico, o que é muito mais rápido do que os séculos que leva para o processo ocorrer de forma natural.

E o que é melhor: os pesquisadores estão otimistas de que possa ser acelerada ainda mais, tornando-se um processo industrial viável.

“O que esperamos é usar essa enzima para transformar plástico de volta em seus componentes originais, para que possamos literalmente reciclá-lo em plástico novo. Isso significa que não precisamos explorar mais petróleo e, fundamentalmente, podemos reduzir a quantidade de plástico no ambiente”, concluiu o professor McGeehan.

A equipe usou o Diamond Light Source, um intenso feixe de raios-X dez bilhões de vezes mais brilhante que o sol, para revelar os átomos individuais daquela enzima.

A estrutura da enzima parecia muito semelhante a uma desenvolvida por muitas bactérias para quebrar a cutina, um polímero natural usado como revestimento protetor pelas plantas.

Quando a equipe manipulou a enzima para explorar essa conexão, acidentalmente melhorou sua capacidade de “comer” PET.

“É uma melhora modesta – 20% – mas esse não é o ponto”, disse o professor McGeehan. “É incrível porque nos diz que a enzima ainda não está na sua forma otimizada. Isso nos dá espaço para usar toda a tecnologia aplicada no desenvolvimento de outras enzimas para melhorá-la ainda mais”. Completou.

Enzimas industriais já são amplamente utilizadas. São comuns em lavagem a seco e na produção de biocombustíveis.

Porém, tais enzimas foram manipuladas em laboratório e aperfeiçoadas para trabalhar até mil vezes mais rápido do que costumavam, isso em poucos anos.

A equipe do novo estudo quer fazer exatamente isso com essa enzima mutante específica, para a qual já pediram até mesmo uma patente.

Uma possível melhoria sendo explorada é transplantar a enzima mutante em uma “bactéria extremófila”, um tipo de bactéria que pode sobreviver a temperaturas acima do ponto de fusão do plástico. Estima-se que o PET se degrade dez a cem vezes mais rápido quando fundido.

Cerca de 1 milhão de garrafas plásticas são vendidas por minuto em todo o mundo e apenas 14% delas são recicladas. Muitas acabam nos oceanos, onde contaminam a vida marinha.

Mesmo as garrafas que são recicladas só podem ser transformadas em fibras opacas para roupas ou tapetes.

A nova enzima representa uma forma de reciclar garrafas plásticas para se tornarem novas, o que poderia reduzir a necessidade de produzir novos plásticos.

O processo de reciclagem do plástico hoje perde para o fato de que o petróleo é barato, então PET virgem também é barato. É mais fácil para os fabricantes gerar mais plástico do que tentar reciclá-lo.

Existe um clamor público pela reciclagem, para tanto, tendo em vista a enorme poluição plástica no mundo todo. A enzima mutante pode finalmente ser a resposta.

Claro, a reciclagem do plástico PET é apenas o primeiro passo para ajudar na proteção do meio ambiente. Outros tipos de plástico poderiam ser quebrados por bactérias atualmente evoluindo na natureza.

O PET afunda na água do mar, mas alguns cientistas acreditam que bactérias comedoras de plástico poderiam ser pulverizadas nos enormes aglomerados de lixo plástico nos oceanos, para então limpá-los.

Enquanto a nova pesquisa é de certa forma empolgante pelo seu potencial, alguns cientistas, como a professora Adisa Azapagic, da Universidade de Manchester, no Reino Unido, alertam que uma avaliação completa do processo é necessária antes de investirmos nele, para garantir que a tecnologia não resolva um problema ambiental – o desperdício – às custas de outro, como emissões adicionais de gases de efeito estufa, por exemplo.

Um artigo com as descobertas foi publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.