(Foto: Reprodução / NPR)

Engenheiros biomédicos da Universidade de Witwatersrand(Wits), em Joanesburgo, na África do Sul, estão conectando um cérebro humano à internet em tempo real pela primeira vez.

O projeto ‘Brainternet’ transmite ondas cerebrais para a internet. Ou seja, transforma o cérebro em um dispositivo da Internet of Things (IoT) na World Wide Web.

A Brainternet é criada por Adam Pantanowitz, professor da Wits, que supervisionou os quatros anos Jemma-Faye Chait e Danielle Winter no desenvolvimento da tecnologia.

“A tecnologia é uma nova fronteira nos sistemas de interface cérebro-computador. Existe uma falta de dados sobre como um cérebro humano funciona e processa informações. A Brainternet procura simplificar a compreensão do seu cérebro e os cérebros dos outros. isso através do monitoramento contínuo da atividade cerebral, além de possibilitar alguma interatividade “, explica Pantanowitz.

A Brainternet trabalha convertendo sinais de eletroencefalograma em uma corrente ao vivo de código aberto. Uma pessoa usa um dispositivo Emotiv EEG alimentado, móvel e acessível pela internet por um período prolongado. Durante este tempo, o Emotiv transmite os sinais de EEG para um Raspberry Pi, transmite os sinais para uma interface de programação de aplicativo e exibe dados em um site que atua como um portal. Este é atualmente um site aberto onde o público pode observar a atividade cerebral do indivíduo .

“Em última análise, pretendemos habilitar a interatividade entre o usuário e o seu cérebro para que o usuário possa fornecer um estímulo e ver a resposta. Brainternet pode ser melhorado para classificar gravações através de um aplicativo de telefone inteligente que irá fornecer dados para uma máquina- algoritmo de aprendizagem. No futuro, pode haver informações transferidas em ambos os sentidos – entradas e saídas para o cérebro “, diz Pantanowitz.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.