A Marinha dos EUA  introduziu recentemente um procedimento formal para relatar a observação de objetos voadores não identificados, curvando-se ao crescente número de OVNIs sendo vistos pelos militares. Anteriormente, a Marinha preferia simplesmente ignorar esses relatórios.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Luis Elizondo, ex-chefe do Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais do Pentágono (AATIP), um departamento dedicado a estudar visitas de OVNIs, revelou em uma entrevista à Live Science que, embora a maioria dos relatos pudesse receber explicações racionais, alguns deles eram inexplicáveis. do ponto de vista da tecnologia e da ciência modernas.

Ele trouxe o exemplo dos OVNIs reportados à AATIP viajando a velocidades superiores a cinco Mach e fazendo mudanças repentinas no curso sem perder velocidade. Elizondo explicou que tais manobras gerariam de 400 a 500 forças G, enquanto as aeronaves modernas podem suportar um máximo de 16 a 18 Gs e pilotos até 9 Gs, e mesmo assim por curtos períodos de tempo.

“Eles não têm motores nem asas, e são capazes de aparentemente desafiar os efeitos naturais da força gravitacional da Terra”, disse ele.

O ex-chefe da AATIP observou, no entanto, que apesar dos múltiplos relatos de OVNIs provados serem pelo menos plausíveis, ele hesita em chamá-los de extra-terrestres, já que seu departamento não encontrou evidências suficientes para sugerir que eles se originaram de outros planetas. Elizondo acredita que há uma chance de que um país aqui na Terra tenha conseguido desenvolver tais aeronaves.

O Pentágono expressou pouco entusiasmo pela AATIP e não teve receio de que um governo estrangeiro pudesse estar seriamente por trás da criação de uma aeronave revolucionária. Elizondo indicou que essa atitude estava parcialmente por trás de sua decisão de deixar o departamento para sempre.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.