A auto-regeneração não é apenas o domínio da indústria de computadores, ela também está sendo desenvolvida para o corpo humano.

Cientistas da Universidade de Toronto, em colaboração com o Centro de Anticorpos Recombinantes de Toronto, desenvolveram anticorpos que, no futuro, poderiam ser usados para estimular o tecido do corpo a se auto-regenerar.

Resultado de dez anos de colaborações

A pesquisa, publicada no eLife, é o resultado de dez anos de trabalho entre equipes de cientistas liderados por Sachdev Sidhu, professor do Centro Donnelly de Pesquisa Celular e Biomolecular, e Stephane Angers, diretor de Pesquisa da Faculdade Leslie Dan de Farmacia.

“Estamos desenvolvendo novas moléculas nunca vistas antes e cujo potencial para a medicina regenerativa é enorme”, diz Sidhu em um comunicado à imprensa destacando o trabalho. “Ao capitalizar o momento da pesquisa com células-tronco e da medicina regenerativa que já existe em Toronto, estamos idealmente situados para comercializar essas moléculas”. AntierA Therapeutics, uma nova startup em Toronto pegará os anticorpos e desenvolverá moléculas semelhantes a medicamentos a serem aplicadas à medicina regenerativa.

Os cientistas foram capazes de manipular os anticorpos para imitar as proteínas Wnt que normalmente instruem as células-tronco a formar tecidos no embrião e também ativar as células-tronco para o reparo dos tecidos em adultos que sofreram de uma lesão. Os cientistas há muito tentaram usar o Wnt para ativar a regeneração de tecidos, mas tiveram problemas devido à composição química complicada das proteínas Wnt.

Não ajuda que as proteínas Wnt se liguem aos lipídios, o que torna difícil isolá-los de forma ativa. Por causa de tudo isso, a equipe de pesquisadores decidiu criar anticorpos que agem como Wnts, combinando e ativando duas classes diferentes de receptores Wnt: Frizzled e LRP5/6. Os anticorpos podem ser criados para replicar qualquer uma das centenas de combinações possíveis de receptores Wnt.

“Esses organoides 3D têm grande potencial para pesquisa e descoberta de medicamentos, mas para cultivá-los você precisa de uma fonte de proteínas Wnt para ativar células-tronco”, disse Angers, cuja equipe apresentou as descobertas no início deste mês em uma conferência em Gordon nos Estados Unidos. temos uma proteína definida, que podemos facilmente obter em grandes quantidades e que pode suportar o crescimento de organoides de vários tecidos.”

A recém-criada startup AntierA já levantou fundos para desenvolver os anticorpos e está focada no desenvolvimento de tratamentos para a perda de visão e doenças intestinais.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.