Vacinas que salvam vidas precisam ser refrigeradas antes do uso para garantir sua eficácia – uma necessidade que dificulta a entrega de vacinas a áreas remotas. Os profissionais já usaram drones como um método de entrega rápida. No entanto, uma nova abordagem pode mudar tudo isso. Pesquisadores da Universidade McMaster dizem que desenvolveram um método para armazenar vacinas de forma barata e segura, em temperatura acima da temperatura ambiente, por até três meses, sem perder a eficácia.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Apresentados no Scientific Reports, os pesquisadores conseguiram combinar os ingredientes ativos das vacinas com açúcares, criando doses leves, duráveis, compactas e capazes de suportar altas temperaturas por até oito semanas. Os açúcares em questão são chamados de pululano e trealose, que são aprovados pelo FDA e foram estudados como um revestimento para frutas e legumes para estender seu prazo de validade.

As vacinas precisam ser mantidas entre 2°C e 8°C. Isso significa que as infra-estruturas devem estar instaladas para garantir que a inoculação permaneça viável desde a sua produção até a pessoa injetada com a vacina. Muitas regiões, em sua maioria difíceis de pobres, não possuem essas estruturas, custando às pessoas suas vidas.

Vários métodos foram apresentados para criar vacinas que não são afetadas por mudanças de temperatura, mas esta parece ser relativamente simples: os vírus são secos em um filme de açúcar feito de pululana e trealose. Isso ajuda a estabilizar as enzimas e vírus, protegendo-os contra a oxidação e altas temperaturas. Depois de secos, a equipe tapou os tubos, embrulhou-os em filme de parafina e os colocou em um bloco de aquecimento a 40 ° C por até 3 meses. Uma vez necessária, a vacina é reativada com água e retorna à sua forma original. A equipe testou a abordagem em camundongos com duas vacinas de amostra, a vacina contra a gripe e a vacina contra o herpes simplex, e elas permaneceram eficazes.

“Você pode gastar todo tipo de dinheiro desenvolvendo uma vacina, mas se ela é desativada pela alta temperatura uma hora antes de ser dada a alguém, não importa”, disse o coautor Ali Ashkar, professor de Patologia e Medicina Molecular. especializado em imunologia na Universidade McMaster, disse em um comunicado.

Os pesquisadores observaram que o encapsulamento de vacinas no açúcar adiciona um custo marginal ao lado da fabricação, reduzindo drasticamente o custo de transporte e armazenamento. Dado que este último é 80 por cento do custo total, este método é mais barato a longo prazo.

“Este, para nós, é a aplicação final desta tecnologia”, disse o principal autor Vincent Leung, professor assistente de Engenharia Química na McMaster. “Imaginar que algo em que trabalhamos no laboratório poderia um dia ser usado para salvar a vida das pessoas é muito emocionante”.

Os pesquisadores agora estão trabalhando para levar o método ao mercado.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.