Ao meio dia de sexta-feira, 11 de março de 2011, Kosuke Heki estava em seu escritório na Universidade de Hokkaido, no norte do Japão, quando a terra começou a tremer.

Heki, geofísico, começou a estudar um fenômeno misterioso relacionado com o estranho comportamento dos elétrons no céu depois de um terremoto, ele achou interessante, mas não excessivamente alarmado: parecia um grande terremoto, mas muito distante. Enquanto os tremores continuavam, ele pensou que talvez pudesse usar os dados do evento em sua investigação. Então alguém deu a notícia e a curiosidade de Heki se transformou em horror.

O tremor correspondeu ao maior terremoto da história recente do Japão: o devastador terremoto de magnitude 9,0 que atingiu a região de Tohoku custou ao país centenas de bilhões de dólares e tirou mais de 15.000 vidas. O tsunami que se seguiu ao terremoto danificou a usina nuclear de Fukushima Daiichi e causou o maior desastre nuclear dos últimos vinte e cinco anos.

Enquanto em outra parte do país as equipes de emergência evacuaram a população e salvaram vidas, Heki esperou que o telefone intermitente e o serviço de Internet fossem restaurados. No domingo, quando a Internet funcionou novamente, baixou algumas observações de satélite da atmosfera acima de Tohoku e as revisou. Como imaginado, os elétrons da ionosfera mostraram um distúrbio 10 minutos após o terremoto. Mas seu modelo não conseguia explicar os dados analisando apenas os minutos após o tremor, então ele tentou expandir a janela de tempo, incluindo também a hora anterior. Foi então que ele viu algo que o deixou paralisado.

Quarenta minutos antes do terremoto, houve um ligeiro aumento na densidade eletrônica em relação ao epicentro. Talvez tenha sido uma anomalia, um evento isolado ou um erro dos instrumentos. Ou talvez houvesse outra coisa. Os cientistas ainda não encontraram um precursor sísmico confiável, um sinal revelador que poderia alertar a chegada de um grande terremoto. Se as alterações eletrônicas constituírem esse sinal de alerta, poderiam salvar milhares de vidas por ano.

Heki, a quem seus colaboradores descrevem como uma pessoa humilde, calmo e prudente, desconfiava de seus próprios dados, então analisou os de dois outros terremotos. Olhando novamente para a mudança na densidade eletrônica, ele decidiu continuar investigando. Até hoje, ele detectou essa variação antes de 18 grandes terremotos, e nos últimos sete anos ele se convenceu de que é real.

Outros especialistas estão começando a examinar a ideia mais profundamente. “Anos atrás, as pessoas não achavam que poderíamos prever o tempo e agora o fazemos”, diz Yuhe Song, especialista em sensoriamento remoto do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. “É provável que possamos ver algum efeito antes de sentirmos o terremoto. Há algo acontecendo … acho que vale a pena discutir. “

Mas nem todo mundo concorda. Muitos cientistas veem o trabalho de Heki como o último de uma longa série de falsas promessas de previsão sísmica. “Essas coisas são como o frio: sempre lá fora”, diz sismólogo Robert J. Geller, professor emérito da Universidade de Tóquio que passou anos desbancar ideias diferentes para prever terremotos. “Se você ignorá-los, eles desaparecem.”

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.