Os pesquisadores acreditam que eles podem ter identificado um novo gene que afeta diretamente a quantidade necessária de sono das pessoas. A descoberta veio estudando uma família que requer significativamente menos sono que a média (cerca de 2 horas a menos).

Sono e vigília

“É notável sabermos pouco sobre o sono, uma vez que a pessoa comum gasta um terço de suas vidas fazendo isso”, disse Louis Ptáček, neurologista da Universidade da Califórnia, São Francisco (UCSF). “Esta pesquisa é uma nova e empolgante fronteira que nos permite dissecar a complexidade dos circuitos no cérebro e os diferentes tipos de neurônios que contribuem para o sono e a vigília”. Continua Ptáček.

Ptáček e o geneticista da UCSF Ying-Hui Fu, outro autor do artigo, estão estudando várias famílias que exigem menos sono que a média para funcionar normalmente. Usando estudos de ligação genética e sequenciamento completo, eles descobriram o gene ADRB1, que eles acreditam ser responsável por pessoas que precisam de menos sono.

Os pesquisadores começaram seu trabalho decifrando o papel da variante genética, estudando sua proteína no tubo de ensaio. “Queríamos determinar se essas mutações causavam alterações funcionais em comparação com o tipo selvagem”, disse Fu.

“Descobrimos que esse gene codifica o receptor adrenérgico ß1 e que a versão mutante da proteína é muito menos estável, alterando a função do receptor. Isso sugeriu que provavelmente teria conseqüências funcionais no cérebro”. Continua Fu.

Experimentos com ratos

A equipe de pesquisadores então experimentou ratos portadores de uma versão mutada do gene. Os camundongos portadores do gene dormiram, em média, 55 minutos a menos que os normais, e os pesquisadores descobriram ainda que o gene era expresso em altos níveis na ponte dorsal.

Esta é uma área do tronco cerebral envolvida em atividades subconscientes, como o sono. Os pesquisadores também descobriram que os neurônios ADRB1 normais nessa região eram mais ativos não apenas durante a vigília, mas também durante o sono REM (movimento rápido dos olhos), mas silenciosos durante o sono não REM.

“Outra maneira de confirmarmos o papel da proteína foi usar a optogenética”, explicou Fu. “Quando usamos a luz para ativar os neurônios ADRB1, os ratos acordaram imediatamente do sono”. Explica.

No entanto, existem limitações ao uso de ratos para estudar o sono. Por exemplo, os ratos exibem diferentes padrões de sono que os humanos.

“Mas é um desafio estudar o sono em humanos também, porque o sono é um comportamento e também uma função da biologia”, acrescentou Fu. “Nós tomamos café e ficamos acordados até tarde e fazemos outras coisas que vão contra nossas tendências biológicas naturais”.

Agora, os pesquisadores planejam estudar a proteína ADRB1 em outras partes do cérebro e investigar outras famílias em busca de outros genes que possam desempenhar um papel na regulação do sono. “O sono é complicado”, observou Ptáček.

“Não achamos que exista um gene ou uma região do cérebro que diga ao corpo para dormir ou acordar. Essa é apenas uma das muitas partes”.

Fu disse que o trabalho pode levar ao desenvolvimento de novos tipos de medicamentos para controlar a regulação do sono. “O sono é uma das coisas mais importantes que fazemos”, disse ele.

“Não dormir o suficiente está ligado a um aumento na incidência de muitas condições, incluindo câncer, doenças auto-imunes, doenças cardiovasculares e Alzheimer”.

O estudo foi publicado na revista Neuron.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.

Temos diversas bolsas de estudo em mais de 1.200 faculdades de todo país, confira aqui: https://engenhariae.com.br/bolsas-estudo