Pesquisa mostra que aulas tradicionais são ineficientes

Quantas vezes durante uma aula entediante tudo o que você mais quis era estar na sua cama dormindo?

Talvez o problema estivesse na metodologia de ensino. Pelo menos é o que defende um novo estudo de pesquisadores norte-americanos.

A análise revela que universitários submetidos a aulas tradicionais, em formato de palestras, são mais propensos à reprovação do que alunos em contato com métodos de aprendizado mais ativos e estimulantes.

“As universidades foram fundadas na Europa Ocidental em 1050 e aulas tradicionais tem sido a forma predominante de ensino desde então”,  diz o biólogo Scott Freeman, da Universidade de Washington. Ele e um grupo de colegas analisaram 225 estudos sobre métodos de ensino.

Os resultados foram publicados na Proceedings of the National Academy of Sciences, e mostram que abordagens de ensino que transformam os alunos em participantes ativos, em vez de apenas ouvintes, reduzem taxas de reprovação e impulsionam notas em cerca de 6%.

Abordagens de ensino que transformam os alunos em participantes ativos reduzem taxas de reprovação.

“A mudança nas taxas de insucesso é enorme”, diz Freeman. Para Eric Mazur, físico da Universidade de Harvard, que fez campanha contra aulas tradicionais por 27 anos, esse é “realmente um artigo importante”. “A impressão que tenho é que é quase antiético dar palestras, se você tem esses dados”, avalia.

Freeman diz que ele começou a usar as novas técnicas, mesmo com turmas grandes. Segundo a Science, embora ainda utilize slides do Power Point, apresenta apenas perguntas e interage com os alunos, inclusive chamando de forma aleatória. “Meu curso de biologia introdutório ganhou 700 alunos”, afirma.

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.