Os carros elétricos realmente produzem menos CO2 do que os a combustão, confirmou um novo estudo – combatendo as alegações de que as emissões de carbono da fabricação de carros elétricos e a produção de eletricidade superam a dos combustíveis fósseis.

Analisando os números dos dados coletados de 59 regiões diferentes do mundo que representam 95% da demanda mundial de transporte, os pesquisadores descobriram que os carros elétricos levam a uma perda geral na produção de CO2 na grande maioria dos lugares.

Em países como Suécia e França, onde muita eletricidade é gerada a partir de fontes renováveis ​​e nuclear, ao longo da vida, os carros elétricos podem representar 70% menos em termos de emissões de carbono do que os equivalentes a gasolina, quando todos os fatores estão incluídos.

A equipe também considerou o impacto das bombas de calor elétricas como uma opção de baixo carbono para aquecimento doméstico, e descobriu que elas também eram melhores para o meio ambiente em geral, considerando a geração de eletricidade.

“A ideia de que veículos elétricos ou bombas de calor elétricas possam aumentar as emissões é essencialmente um mito”, diz o cientista ambiental Florian Knobloch, da Universidade Radboud, na Holanda.

“Vimos muita discussão sobre isso recentemente, com muita desinformação por aí. Aqui está um estudo definitivo que pode dissipar esses mitos. Corremos os números para todo o mundo, olhando para uma variedade de carros e sistemas de aquecimento.”

“Mesmo no nosso pior cenário, haveria uma redução nas emissões em quase todos os casos. Esse insight deve ser muito útil para os formuladores de políticas”.

Os pesquisadores concluíram que, atualmente, os carros elétricos são melhores para o clima do que os movidos a gasolina em 95% do mundo. O pequeno número de exceções inclui países como a Polônia, onde o processo de geração de eletricidade ainda depende amplamente do carvão. (Você pode procurar seu próprio país nas tabelas suplementares da equipe publicadas aqui.)

Com o mundo agora se movendo em direção a combustíveis renováveis, em breve não haverá exceções. Até 2050, se os governos adotarem as políticas corretas, um em cada dois carros na estrada poderá ser elétrico, economizando 1,5 gigatoneladas de emissões de carbono por ano.

“Levando em conta as emissões da fabricação e do uso contínuo de energia, é claro que devemos incentivar a mudança para carros elétricos e bombas de calor domésticas sem arrependimentos”, diz Knobloch.

Os pesquisadores estão pedindo aos governos e formuladores de políticas que não demorem em mudar a eletricidade – até mesmo acelerar a transição em um ano ou dois pode economizar uma enorme quantidade de CO2 sendo colocada na atmosfera.

Com isso em mente, é bom ver o uso de energia renovável se expandindo em todo o mundo, bem como melhorias tecnológicas em termos de como os carros elétricos podem ser projetados e mantidos em funcionamento.

Ainda existem muitos desafios pela frente, em termos de produção de carros elétricos, geração de mais eletricidade a partir de fontes renováveis, melhoria da infraestrutura de recarga – e obtenção de mais pessoas para abandonar o carro completamente. No entanto, sabemos a direção que precisamos seguir.

“A resposta é clara: para reduzir as emissões de carbono, devemos escolher carros elétricos e bombas de calor domésticas em vez de alternativas a combustíveis fósseis”, diz o cientista computacional Jean-Francois Mercure, da Universidade de Exeter, no Reino Unido.

A pesquisa foi publicada na Nature Sustainability.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.