Os primeiros europeus viveram ao lado de pássaros gigantes de 3 metros de altura, segundo uma nova pesquisa. A espécie de pássaro foi uma das maiores que já percorreu a Terra, pesando 450 quilos.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Ossos das asas das aves foram descobertos em uma caverna na Crimeia. “Ainda não temos dados suficientes para dizer se ela está mais relacionada aos avestruzes ou a outras aves, mas estimamos que pesa cerca de 450 kg”, diz a principal autora do estudo, a Dra. Nikita Zelenkov. Esse peso é quase três vezes o avestruz e quase o mesmo que um urso polar adulto”.

Nenhum voo, mas pernas rápidas

A ave é atribuída à espécie Pachystruthio dmanisensis. Viveu há quase 2 milhões de anos, os pesquisadores acreditam que a ave teria sido muito rápida – uma habilidade fundamental para sobreviver à caça.

Na caverna, ao lado dos ossos das aves gigantes encontraram fósseis de carnívoros como a chita gigante, hienas gigantes e gatos com dentes de sabre. As aves teriam sido um grande alvo para os humanos que poderiam usá-lo para carne e penas.

Quando os ossos foram enviados para a academia de ciências para análise, eles foram inicialmente confundidos com ossos de outras aves. “Quando senti pela primeira vez o peso da ave cujo osso da coxa eu estava segurando na minha mão, achei que devia ser um fóssil de uma ave-elefante, porque nenhum pássaro deste tamanho jamais foi relatado na Europa. No entanto, a estrutura do osso inesperadamente contou uma história diferente”, diz Zelenkov.

Os ossos do fêmur dos animais se pareciam muito com os ossos das aves-elefante, mas eram ligeiramente mais finos, indicando aos pesquisadores que este pássaro era muito bom em correr.

Homo Sapiens foram datados para viver na mesma área mais ou menos na mesma época. Compreender quais animas coexistiam com os humanos dá aos antropólogos uma nova visão da vida de nossos ancestrais.

Os animais podem ter crescido tanto em tamanho em resposta a mudanças em seu ambiente que estava se tornando cada vez mais árido à medida que a época do Pleistoceno se aproximava.

Uma massa corporal maior reduz as demandas metabólicas, o que significa que os animais podem fazer uso de alimentos menos nutritivos. “A rede de cavernas de Taurida só foi descoberta no ano passado quando uma nova autoestrada estava sendo construída. No ano passado, restos de mamutes foram desenterrados e pode haver muito mais que o local vai nos ensinar sobre o passado distante da Europa”, diz Zelenkov.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here