Com o aumento da temperatura da água, a acidificação do oceano, o branqueamento de corais e as atividades humanas, os peixes estão sendo cada vez mais deslocados de suas moradas.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Mas pesquisadores da Universidade de Delaware criaram uma maneira de ajudar peixes “sem teto”: corais impressos em 3D.

Coral impresso em 3D não impactou negativamente o comportamento dos peixes

Publicado na revista PLOS One, Danielle Dixson, da Universidade de Delaware, e Emily Ruhl, da Universidade de Delaware, demonstraram como os objetos impressos em 3D não afetam negativamente o comportamento dos peixes associados ao coral ou a sobrevivência do coral. Os pesquisadores estão tentando desenvolver maneiras de manter os peixes no recife de coral após uma emergência, bem como identificar maneiras de recuperar o recife.

Os pesquisadores também descobriram que o peixe não se importava com os materiais usados ​​para imprimir corais 3D, o que abre caminho para o uso de materiais ecológicos para produzir coral falso, em vez de depender de plástico. Essa foi uma descoberta importante, porque a última coisa que os pesquisadores querem fazer é imprimir corais que podem afetar negativamente o comportamento dos peixes.

“Se os peixes em um recife não usarem os modelos de corais impressos em 3D como habitat na natureza, eles podem estar em maior risco de predação por outras espécies maiores”, disse Dixson, professor do College of Earth da UD.

Coral impresso em 3D pode ajudar a recuperar recifes

Os quatro corais impressos em 3D foram feitos de diferentes filamentos baratos e amplamente disponíveis, incluindo poliéster, amido de milho e amido de milho, combinados com a energia do aço inoxidável. Esses dois materiais são biodegradáveis.

Depois de colocar o peixe em um tanque com o esqueleto de coral e o coral falso, eles estudaram o comportamento do peixe. O peixe não tinha uma preferência entre o esqueleto de coral e o coral impresso em 3D. Os níveis de atividade dos peixes também permaneceram inalterados, independentemente do habitat de coral que receberam.

“Eu pensei que o esqueleto natural provocaria um comportamento mais dócil (ou seja, aceitação) comparado aos objetos impressos em 3D”, disse Ruhl no mesmo comunicado à imprensa. “Mas então percebemos que os pequenos peixes de recife não se importavam se o habitat era artificial ou carbonato de cálcio, eles apenas queriam proteção”. Conclui Ruhl.

Pesquisadores agora analisam outros dados

“A oferta de habitats impressos em 3D é uma maneira de fornecer aos organismos de recife um kit inicial estrutural que pode se tornar parte da paisagem à medida que peixes e corais constroem suas casas em torno do coral artificial”, disse Dixson. “E como os materiais que selecionamos são biodegradáveis, o coral artificial se degradaria naturalmente com o passar do tempo, à medida que o coral vivo cresce demais”. Conclui.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.