Foi demonstrado que a realidade virtual imersiva ajuda as crianças com autismo a superar suas fobias. Quase 45 por cento daqueles que realizam esta terapia permanecem livres de seus medos seis meses após o tratamento.

Especialistas da Universidade de Newcastle, Inglaterra, projetaram uma sala azul, um ambiente personalizado de 360 ​​graus que recria a situação de fobia que pode enfraquecer a pessoa com autismo na vida real.

Dentro deste ambiente virtual, que não requer o uso de óculos, a pessoa pode investigar e navegar confortavelmente através de vários cenários, controlando movimentos com um iPad. O trabalho é feito sob a supervisão de um terapeuta e trata-se de manter o controle total da situação durante a sessão.

“Para muitas crianças e suas famílias, a ansiedade pode dominar suas vidas para tentar evitar situações que podem desencadear medos ou fobias de seus filhos”, disse ele em um comunicado o professor Jeremy Parr, do Instituto de Neurociência da Universidade de Newcastle e diretor dos estudos.

Fobias

O autismo pode afetar o aprendizado e o desenvolvimento de uma criança, o que muitas vezes desencadeia um declínio nas habilidades sociais e de comunicação. Muitos também têm medos. Acredita-se que as fobias afetam cerca de 25% das crianças com autismo.

Lugares como salas de aula, objetos como balões, e, como todos os dias como viajar de transportes públicos são exemplos de fobias que podem ser muito angustiante para as pessoas com autismo, mas muitas vezes, isso é ignorado.

Quarto azul

“É difícil para as pessoas com autismo imaginar uma cena, é por isso que a Sala Azul é tão bem recebida. Estamos jogando situações temidas pelos pacientes de forma controlada através da realidade virtual e estamos sentados com eles para ajudá-los a aprender a gerir os seus medos “, diz o Dr. Morag Maskey, pesquisador do Instituto de Neurociência da Universidade de Newcastle.

“É incrivelmente recompensador ver o efeito que pode ter para alguns superar uma situação que apenas uma semana antes foi tão angustiante”, diz Maskey.

Depois de receber o tratamento e com o apoio de seus pais, as crianças foram levadas ao palco no mundo real. Duas semanas após o tratamento, um quarto dos participantes respondeu ao tratamento e pôde enfrentar uma fobia específica.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.