Muitas das maiores invenções do mundo foram inspiradas pela natureza. Alguns dos exemplos são os trens balas japoneses que foram remodelados para um formato similar ao bico do pássaro martim-pescador, e com isso eles passaram a viajar de maneira mais silenciosa e também se tornaram 10% mais rápido e 15% mais econômicos.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Agora, cientistas da Universidade Nacional de Cingapura se inspiraram na água-viva para projetar uma pele eletrônica auto-curável, elástica e sensível ao toque que poderia ter aplicações para desenvolver robôs macios e até mesmo telas sensíveis ao toque.

“Nós nos perguntávamos como poderíamos fabricar um material artificial que imitasse a natureza e fosse resistente e que também fosse sensível ao toque”, disse Benjamin Tee, principal pesquisador do estudo, em um comunicado à imprensa.

A equipe de pesquisa, liderada pelo professor assistente Benjamin Tee levou um ano para desenvolver o material em colaboração com a Universidade de Tsinghua e a Universidade da Califórnia Riverside.

Pele elástica

O professor assistente Benjamin Tee fez parte da equipe que desenvolveu a primeira pele de auto recuperação em 2012. “Um dos desafios com muitos materiais de autocura hoje é que eles não são transparentes e não funcionam eficientemente quando molhados”, ele explica. 

“Essas desvantagens as tornam menos úteis para aplicações eletrônicas, como telas sensíveis ao toque, que geralmente precisam ser usadas em condições de clima úmido.” 

Tee continuou: “Com essa idéia em mente, começamos a observar as medusas – que são transparentes e capazes de sentir o ambiente úmido. Então, ficamos imaginando como poderíamos fabricar um material artificial que pudesse imitar a natureza resistente à água como as medusas e, ao mesmo tempo, ser sensível ao toque. ”

A equipe alcançou seu objetivo criando um gel que consiste em um polímero à base de fluorocarbono com um líquido iônico rico em flúor. Em combinação, a ‘rede polimérica interage com o líquido iônico por meio de interações íon-dipolo altamente reversíveis, o que permite a autocura.’ 

Materiais anteriormente autorrecuperáveis ​​incharam quando úmidos e encolheram quando secos, este material exclusivo pode reter sua forma em ambientes úmidos e secos e trabalhar efetivamente na água do mar e até mesmo em ambientes ácidos ou alcalinos.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here