Pesquisadores da Universidade de Tampere, na Finlândia, foram capazes de treinar pedaços de plástico para andar com base na luz.

Inspirados no processo de condicionamento para cães observado por Pavlov, os pesquisadores usaram plástico feito de hidrogel sintético sensível à temperatura, contendo nanopartículas de ouro plasmônicas e fotoacido à base de merocianina. Mas, em vez de fazê-lo se basear em comida, eles usavam luz.

Atuadores podem converter energia em movimento

Os plásticos são atuadores suaves capazes de converter energia, neste caso, luz, em movimento. O atuador primeiro foi capaz de responder apenas ao calor, mas, associando a luz ao calor, o plástico aprendeu a responder também à luz.

Segundo pesquisadores, incluindo o autor Arri Priimägi, da Universidade de Tampere, o plástico se dobra de maneira semelhante à maneira como os seres humanos dobram um dedo. Ao iluminar o plástico intermitentemente, ele andava, embora devagar. Os cientistas disseram que se movia no mesmo ritmo que um caracol.

“Nós projetamos um atuador controlado por estímulos baseado em LCNs cuja resposta é inspirada pelo condicionamento clássico, uma das formas elementares de aprendizado”, escreveram os pesquisadores na revista Matter. “O atuador ‘aprende’ a responder a um estímulo inicialmente neutro (luz) por meio de um processo de associação, que conecta estímulo neutro (luz) a um estímulo intrínseco (calor). O potencial concreto para aplicações robóticas suaves é demonstrado pela criação de um andador e cor – reconhecimento de garras que evoluem para responder à luz do processo de associação, e a modularidade do conceito é ainda mais destacada, curiosamente, pela construção de um cão artificial de Pavlov”.

Robôs auto-adaptáveis a seguir?

Os pesquisadores observaram que o atuador com uma memória associativa é muito diferente dos materiais com memória de forma e dos atuadores reconfiguráveis, porque respondem a novos estímulos. algo que os materiais convencionais não podem. Ele marca a primeira vez que um objeto de plástico foi treinado para se mover sem a necessidade de um computador.

Os cientistas disseram acreditar que as respostas e a programação dos atuadores, combinadas com a capacidade de responder a diversos estímulos, poderiam abrir o caminho para microrrobóticos suaves que podem aprender e se adaptar.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.