Se você é um fã de ficção científica, é provável que tenha encontrado algumas franquias onde a humanidade se espalhou por todo o Universo conhecido. As naves que permitem isso, talvez usem um warp drive, talvez “dobrem espaço”, talvez tenham um drive mais rápido que a luz (FTL) ou “jump”.

É uma ideia legal, o pensamento de “ir interestelar!” Infelizmente, as leis imutáveis ​​da física nos dizem que isso simplesmente não é possível.

No entanto, a física que governa nosso Universo permite viagens próximas à velocidade da luz, embora chegar a essa velocidade requeira uma quantidade enorme de energia.

Essas mesmas leis, no entanto, também nos dizem que as viagens à velocidade da luz vêm com todos os tipos de desafios. Felizmente para todos nós, a NASA aborda isso em um vídeo animado recém-lançado que cobre todos os fundamentos da viagem interestelar!

Para resumir, de acordo com as leis imutáveis ​​da física (especificamente, a Teoria da Relatividade Especial de Einstein), não há como alcançar ou exceder a velocidade da luz.

Isso significa que se você vai tentar uma viagem interestelar, sua melhor aposta é se estabelecer para o longo curso (ou seja, um navio de geração) ou encontrar um meio de propulsão que pode permitir uma aceleração constante até uma fração da velocidade de luz (velocidade relativística) é atingida.

Por causa deste vídeo, intitulado “Guia da NASA para viagens à velocidade da luz” (mostrado acima), presume-se que o viajante interestelar (que parece ser uma criatura alienígena) construiu uma nave espacial capaz de viajar a 90 por cento da velocidade da luz (0,9 c).

O vídeo é apresentado como um vídeo informativo para um viajante interestelar. É apresentado com a seguinte mensagem:

“Então, você acabou de dar os retoques finais nas atualizações de sua nave espacial e agora ela pode voar quase à velocidade da luz. Não temos certeza de como você conseguiu, mas parabéns! Antes de voar em seu nas próximas férias, no entanto, assista a este vídeo útil para aprender mais sobre considerações de segurança na velocidade da luz, tempos de viagem e distâncias entre alguns destinos populares em todo o universo.”

Deixando de lado a questão de como a espaçonave é capaz de atingir esse tipo de velocidade, o vídeo então se move diretamente para abordar os grandes problemas que surgem com as viagens em um Universo relativístico.

Isso inclui a dilatação do tempo, a necessidade de proteção no meio interestelar e quanto tempo levaria para viajar até mesmo para os destinos mais próximos, como a estrela mais próxima (Proxima Centauri), a galáxia mais próxima (Andrômeda) ou a mais distante (GN- z11).

É certo que esses desafios são muito difíceis e as maiores mentes científicas do mundo ainda estão procurando uma solução. Um bom exemplo é Breakthrough Starshot, uma iniciativa que espera enviar uma vela de luz movida a laser para Alpha Centauri nos próximos anos. Baseando-se na propulsão de energia direcionada, a espaçonave proposta alcançaria 20 por cento da velocidade da luz (0,2 c) e faria a viagem em apenas 20 anos.

Naturalmente, esse plano envolveu pesquisas consideráveis sobre os perigos das viagens interestelares e levou a algumas soluções criativas de como lidar com eles.

Isso inclui (mas não está limitado a) blindagem, comunicações, os tipos de câmeras e instrumentos que produziriam os melhores resultados científicos, o tipo de vela empregada e o formato da vela em si e como a espaçonave desaceleraria quando chega lá.

Enquanto isso, é bom ter recursos educacionais que permitem às pessoas conhecer as realidades científicas que estão por trás (ou em muitos casos, minam) nossas franquias favoritas!

Também é útil quando se trata de aspirantes a físicos e cientistas que esperam ver viagens interestelares acontecerem durante suas vidas. Você tem que saber quais são os desafios se está pensando em vencê-los!

O vídeo foi o trabalho de cientistas e especialistas em mídia do Goddard Media Studios (GMS) do Goddard Space Flight Center (GSFC) da NASA. O esforço foi liderado por Chris Smith, produtor de multimídia e membro da Associação de Pesquisas Espaciais das Universidades (USRA) da divisão de Astrofísica de Goddard. Ele foi acompanhado pelo colega da USRA Krystofer Kim, que era o animador principal do vídeo.

A NASA Goddard também disponibilizou clipes mais curtos do vídeo e cartões postais imprimíveis para download aqui: https://svs.gsfc.nasa.gov/13653.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.