Alguns especialistas há muito tempo acreditam que asteróides foram a principal causa da extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos, mas a nova análise do professor de psicologia da Universidade de Albany, sugere que os dinossauros estavam com problemas muito antes da queda dos asteróides.

Professor e psicólogo evolucionista Gordon Gallup e seu ex-aluno Michael J. Frederick, agora, na Universidade de Baltimore, afirmam que o surgimento de plantas tóxicas somadas com a incapacidade dos dinossauros de associar o sabor de determinados alimentos com o perigo que elas tinham, já drasticamente havia reduzido uma população de dinossauros antes mesmo dos asteróides os atingirem.

“Learned taste aversion” é uma defesa evolutiva visto em muitas espécies, em que o animal aprende a associar o consumo de uma planta ou outros alimentos com consequências negativas, tais como sentir-se doente. Para explicar o mecanismo de defesa, Gallup oferece o exemplo de ratos.

“A razão pela qual a maioria das tentativas para eliminar os ratos não têm sido bem sucedidas é porque, como em muitas outras espécies, evoluíram para lidar com a toxicidade da planta”, disse Gallup. “Quando os ratos encontram um novo alimento, eles tipicamente se alimentam de apenas uma pequena quantidade, e se elas ficam doentes, eles mostram uma notável capacidade para evitar tais comidas, baseando-se no  novamente no sabor, cheiro do que com a reação negativa.” Explica.

As primeiras plantas com flores, chamadas angiospermas, aparecem no registro fóssil bem antes do impacto de um asteróide e logo antes de os dinossauros começarem a desaparecer gradualmente. Gallup e Frederick afirmam que as plantas foram evoluindo e desenvolvendo defesas tóxicas, dinossauros continuou se alimentando delas, apesar do desconforto gastrointestinal. Embora haja incerteza sobre exatamente quando as plantas com flores desenvolveram toxicidade e exatamente quanto tempo levou-as a proliferar, Gallup e Frederick notam que sua aparência coincide com o desaparecimento gradual dos dinossauros.

Somando ao estudo da proliferação de plantas tóxicas enquanto dinossauros estavam vivos, Gallup e Frederick examinaram se ou não aves (consideradas ser descendente de dinossauros) e crocodilos (também considerados ser descendente de dinossauros) poderiam desenvolver aversão gustativas. Eles descobriram que os pássaros, ao invés de formar aversões a gosto, desenvolveram aversões às características visuais de tudo o que os fazia doente. Ainda assim, eles sabiam o que não deve comer para sobreviver. Em um estudo anterior em que 10 crocodilos foram alimentados com diferentes tipos de carne, algumas ligeiramente tóxica, Gallup descobriu que como dinossauros, crocodilos não desenvolveram  aversão gustativa.

“Apesar do asteróide certamente ter desempenhado um fator, o déficit psicológico que tornou dinossauros, incapazes de aprender a se abster de comer certas plantas já tinha colocado uma grande pressão sobre as espécies”, disse Gallup. “A visão predominante da extinção dos dinossauros com base no impacto de asteróides implica que o desaparecimento dos dinossauros deveria ter sido súbita e os efeitos deveriam ter sido generalizado, mas a evidência mostra claramente exatamente o oposto: Dinossauros começaram a desaparecer muito antes do impacto de um asteróide e continuou a desaparecer gradualmente, durante milhões de anos depois”. Completa.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.