A CALTECH está desenvolvendo um robô humanóide com alguns aprimoramentos bastante poderosos. O LEG ON Aerial Robotic DrOne, ou Leonardo, é um robô bípede com propulsor que lhe confere excepcional capacidade de balanceamento e agilidade avançada.

Leo tem cerca de 0,75 metro de altura e é composto principalmente de fibra de carbono. É realmente leve, o que permite que os propulsores parecidos com os drones levantem o robô inteiro do chão.

Leo não é um robô voador, os propulsores são projetados para dar ao robô um melhor equilíbrio, especialmente na sua parte superior do corpo, para que suas pernas não tenham que executar essa tarefa também.

“Inicialmente, foi desenvolvido com a ideia de projetar exploradores – sistemas que podem combinar vários tipos de mobilidades, seja terrestre ou aérea, para fazer explorações autônomas”, disse o inventor do robô, Alireza Ramezani.

No vídeo em anexo, você pode ver o propulsor, localizado em cada lado do tronco, ajudando Leo a ficar de pé enquanto se move.

Um robô humanóide que nunca cai

As hélices nos propulsores trabalham em sincronia com as pernas do robô para ajudá-lo a fazer movimentos avançados. Robôs humanóides são difíceis de construir porque os seres humanos são incrivelmente complexos, com amplitudes de movimento que quase parecem desafiar nossa própria compreensão da física.

Os engenheiros de robótica são designados para projetar e construir robôs humanóides para depositar seus desafios. Uma das razões para isso é que robôs do mesmo tamanho e movimentos serão, em muitos casos, mais facilmente adaptados por humanos.

Houve alguns avanços incríveis na robótica humanóide na última década, e talvez um dos maiores avanços seja quando robôs aumentam sua gama de movimentos humanos e capacidades como a Caltech está fazendo com o Leo.

O robô pode sempre manter seu equilíbrio

Para exemplos com o Leo, os propulsores podem ajudar o robô a não cair mesmo quando esticado em sua capacidade em uma ação como pular, pois ele pode voar temporariamente para dar mais tempo para recuperar o controle. Não só ajudará a aterrissar com segurança depois de saltar, como também melhorará sua altura e distância.

“A ideia não é criar um quadricóptero”, disse Ramezani. “A ideia é ter uma máquina que possa alavancar suas pernas e os propulsores também, por exemplo, melhorar sua capacidade de saltar.”

“Este é o maior desafio para os sistemas de pernas ou mesmo para os humanos: podemos estabilizar nosso corpo, mas às vezes caímos”, explicou Ramezani. “E se pudéssemos ter um robô que nunca caísse?”. Indagou.

Ramezani é agora professor assistente de engenharia elétrica e de computação na Northeastern, mas continuará a prestar assistência no desenvolvimento do LEO na Caltech.

“Nesta fase, eu vejo isso como uma plataforma muito boa para impulsionar a robótica ágil. Pense em um robô que literalmente nunca cai: pode passar por terreno acidentado, pode voar, pode pular. Um sistema ultra-capaz”, continuou Ramezani. “Na estrada, podemos usar uma máquina como esta para a exploração.” Finalizou.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.