Em 07 de dezembro de 1995, a sonda Galileo, da NASA mergulhou na atmosfera de Júpiter em mais de 170.000 quilômetros por hora e conseguiu enviar 58 minutos de dados para a Terra antes de ser pulverizado pelas imensas pressões no interior do planeta .

Em parte, as medições da sonda em seus minutos finais de existência atenderam às expectativas dos cientistas, mas também houve várias surpresas. O maior e mais desconcertante de tudo foi que a região em que Galileu penetrou estava quase completamente seca, certamente muito mais do que os pesquisadores previram. As 79 luas do planeta gigante são feitas, na sua maior parte, de gelo, por isso assumiu-se que a atmosfera de Júpiter deveria conter uma quantidade considerável de água. Mas a sonda não encontrou vestígios dela.

Hoje, quase um quarto de século depois, os especialistas ainda estão debatendo a questão e imaginando quanta água poderia estar escondida dentro da espessa atmosfera jupiteriana. E agora, de acordo com o trabalho de uma equipe de pesquisadores, incluindo Máté Ádámkovics, um astrofísico da Universidade Clemson, a questão finalmente foi respondida. A pesquisa acaba de ser publicada no The Astronomical Journal.

“Ao formular e analisar dados obtidos usando telescópios terrestres”, diz Ádámkovics, “nossa equipe detectou as assinaturas químicas da água nas profundezas da Grande Mancha Vermelha do planeta. Júpiter é um gigante de gás que contém mais que o dobro da massa de todos os outros planetas combinados. E apesar de 99% de sua atmosfera ser composta de hidrogênio e hélio, mesmo uma pequena fração de água em um planeta tão grande seria muito, muitas vezes mais água do que a que temos aqui na Terra. “

Durante suas observações, os pesquisadores concentraram sua atenção na Grande Mancha Vermelha de Júpiter, uma enorme tempestade duas vezes maior que a Terra que açoitou o planeta por mais de 150 anos. A equipe procurou água lá usando os dados de radiação coletados por dois instrumentos instalados em telescópios terrestres: iSHELL, no Telescópio Infravermelho da NASA; e o espectrógrafo de infravermelho próximo do telescópio Keck 2, ambos localizados no topo remoto de Maunakea, no Havaí.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.