NASA

Os humanos gastam muito tempo e energia pensando e procurando vida fora da Terra. Não é verdade? Enviamos satélites para procurar novos planetas e disparar balas em asteróides em nossa busca por perguntas sobre as origens da vida. Mas saber onde procurar pode ter ficado mais fácil graças a uma descoberta inesperada em um deserto remoto no Chile.

Na paisagem seca e empoeirada do Deserto do Atacama, no Chile, um explorador encontrou as bactérias nunca antes vistas. A descoberta dá esperanças de que poderia haver vida em Marte esperando para ser encontrada.

Vida em Marte

“Nós mostramos que um robô pode explorar o solo abaixo da superfície do deserto de Marte”, disse o biólogo Stephen Pointing, do Yale-NUS College, em um comunicado.

“Isso é importante porque a maioria dos cientistas concorda que qualquer vida em Marte teria que ocorrer abaixo da superfície para escapar das condições adversas da superfície, onde a alta radiação, a baixa temperatura e a falta de água tornam a vida improvável”.

Os cientistas concordam que Marte já teve água fluindo sobre sua superfície, atualmente o planeta vermelho é muito mais seco mas com algumas manchas de gelo. Mas há uma teoria de que ainda pode haver água em sua superfície.

Presença bacteriana é irregular

Se essa hipótese se provar correta, pode significar que a vida também está presente. Embora saibamos que a água é essencial para a maioria das formas de vida, a nova descoberta no Deserto do Atacama abre as possibilidades de vida para sobreviver em condições ultra secas e severas.

O deserto pode receber pouca chuva por anos, tornando-se um dos lugares mais secos do planeta. Apesar da falta de chuva, Zoe, o robô, conseguiu encontrar vida microbiana logo abaixo da superfície do solo.

Próximo passo: cavar mais fundo

Embora as condições em Marte sejam ainda mais extremas do que o deserto, isso abre as portas para a possibilidade de que a vida microbiana seja ainda mais resistente do que se pensava anteriormente.

“Vimos que, com o aumento da profundidade, a comunidade bacteriana foi dominada por bactérias que podem prosperar nos solos extremamente salgados e alcalinos. Elas, por sua vez, foram substituídas em profundidades de até 80 centímetros por um único grupo específico de bactérias que sobrevivem metabolizando o metano ”.

Apesar das boas notícias, os resultados ainda não estão claros. A equipe de pesquisa recolheu 90 amostras de solo, tanto via robô quanto à mão, e descobriu que a evidência da colonização microbiana era irregular.

Havia muitas áreas extremas sem evidência de micróbios. A análise do solo contendo os micróbios mostra que ele foi formado há muito tempo, quando o conteúdo de água no deserto era maior.

Os pesquisadores agora continuarão seu trabalho cavando mais fundo. As próximas amostras serão tomadas em profundidades de dois metros. Uma profundidade que agora é possível pelos atuais robôs marcianos. A pesquisa foi publicada em Frontiers in Microbiology.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.