18 de julho de 2019
Luva traduz a linguagem de sinais em texto

Luva traduz a linguagem de sinais em texto

A fim de criar cenários inclusivos para pessoas com deficiências de fala e audição, um estudante mexicano projetou uma luva que identifica os movimentos da mão e os reproduz em texto ou áudio.

“A pessoa surda pode fazer indicações para a linguagem de sinais e luva identificar movimentos, gerar a letra ou palavra associada com o sinal para que as pessoas que não conhecem a linguagem de sinais entenda a mensagem,” o estudante Bryan Howard disse Tarre Álvarez.

A luva, chamado de “mão de falar inteligente”, foi desenhado por carreira de engenharia eletromecânica do estudante da Universidade Autônoma de Querétaro, com o qual foi premiado com o desafio de saúde pública em primeiro lugar na CONSCIÊNCIA 2017 concurso vidas.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Demografia Dinâmica 2014, preparada pelo Instituto Nacional de Estatística e Geografia (INEGI), 18% das pessoas com deficiência têm dificuldade para falar ou se comunicar.

Tarre Álvarez explicou que o projeto incorpora um algoritmo de inteligência artificial conhecido como “redes neurais”.

“Essas redes são um modelo matemático no qual, através de um algoritmo de atualização e treinamento, é possível aprender a reconhecer padrões como os humanos”, disse o estudante.

A mão inteligente de fala trabalha com sensores flexo-resistivos, isto é, transdutores que convertem uma flexão (ângulo) do material em uma variação de resistência.

Assim, dobrar um dedo gera uma mudança na resistência que, por sua vez, produz uma variação de tensão. A mudança na tensão pode ser lida por um conversor analógico-digital e processada por um microcontrolador.

Embora o projeto ainda esteja em desenvolvimento, Tarre Álvarez explicou que eles estão perto de finalizar o algoritmo e que seria necessário apenas complementar o banco de dados.

“Pretendemos doar 10 luvas para instituições que servem surdo e mudo para calibrar biomecânica, ou seja, velocidade, força, flexão, precisa cada dedo, o que muda com a anatomia de cada posição individual”, disse o estudante.

Da mesma forma, disse que, embora já existam luvas que formam palavras e frases através de sinais, “não tem o toque de inteligência artificial”.

Tarre Álvarez destacou que em um ano o projeto pode ser concluído, já como um produto funcional.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.