Aproximadamente 80% do fundo do oceano global ainda é totalmente desconhecido ou não foi medido de maneira moderna. Agora, as comunidades marítimas e científicas internacionais estão se agrupando para mapear todo o fundo do mar da Terra até 2030.

A Ocean Infinity, uma das empresas de exploração que faz parte dessa comunidade, apresentou sua mais nova frota operacional: barcos robóticos.

Isso significa que nenhum humano estará dentro ou sobre esta armada de naves-robôs, aliás, a frota se chama Armada.

Como a frota irá operar?

O projeto GEBCO Seabed 2030 foi elaborado para tentar eliminar o hiato de dados do fundo do mar de uma vez por todas e compartilhou as diferentes maneiras pelas quais planeja fazê-lo. Um desses métodos é alavancar novas tecnologias, como essa frota de navios-robôs oceânicos criados pelo Ocean Infinity.

A empresa planeja transformar o setor de informações oceânicas, contando com a mais recente tecnologia e os computadores mais poderosos disponíveis.

Eles procuram usar sistemas totalmente robóticos para exploração marinha que tiram as pessoas do mar e, ao fazê-lo, criam o mínimo possível de impacto ambiental absoluto possível. A esperança é ainda fornecer as mesmas informações de alta qualidade e alta potência que seus navios regulares controlados por humanos forneceriam.

O CEO da empresa, Oliver Plunkett, disse à BBC “até agora a empresa encomendou 11 robôs de tamanhos diferentes, sendo os menores de 21 metros e o maior com 37 metros, todos capazes de viagens transoceânicas, controlado a partir de centros de controle em terra”. O principal centro de controle será baseado na área de Southampton, na costa sul da Inglaterra.

Os navios-robô são equipados com uma variedade de sensores e equipamentos, e sua própria capacidade de implantar robôs amarrados para inspecionar todo o caminho até o fundo do oceano: 6.000 metros abaixo da superfície.

Os barcos não apenas mapearão o fundo do mar, mas também “inspecionarão os oleodutos, examinarão as condições do leito de cabos de telecomunicações e parques eólicos off-shore”, conforme Plunkett.

“Os de 37 metros, na verdade, transportam cerca de 60 toneladas de carga no convés. Estamos olhando para serviços de logística em lugares como o Mar do Norte, transportando contêineres para plataformas de petróleo e gás”.

A velocidade dos navios pode chegar a 12 nós, os de 21 metros têm um alcance de 3.700 milhas náuticas e os 37 metros podem chegar a 5.000 milhas náuticas. Eles serão movidos a diesel/elétrico, com emissões reduzidas de CO2 em comparação com os barcos comuns.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.