Um composto encontrado no vinho tinto, o resveratrol, pode ser a chave para ajudar os exploradores a se manterem aptos em longas viagens espaciais, de acordo com um estudo recente de Harvard. Publicado em Frontiers in Physiology, o estudo oferece um meio de preservar a força muscular em gravidade reduzida.

Chegar a Marte terá seu preço

Usando a tecnologia atual, levaria cerca de 9 meses para chegar da Terra a Marte, de acordo com a NASA. Mas o desafio não é apenas o da tecnologia, uma jornada tão longa pode resultar em efeitos fisiológicos nos astronautas.

A perda de massa muscular é apenas um problema potencial que os exploradores de Marte enfrentarão em tal jornada. Os ossos também enfraquecem em baixa gravidade e os músculos que suportam peso tendem a ser atingidos primeiro e em maior extensão.

O músculo na panturrilha é particularmente suscetível a esse problema.

Dr. Marie Mortreux, principal autor do estudo financiado pela NASA no laboratório do Dr. Seward Rutkove, Beth Israel Deaconess Medical Center, da Harvard Medical School, disse: “Depois de apenas 3 semanas no espaço, o músculo da panturrilha encolhe em um terço.”

“Isso é acompanhado por uma perda de fibras musculares de contração, que são necessárias para a resistência”, acrescentou.

Os pesquisadores de Harvard perguntaram se poderá haver uma maneira de evitar esse problema, para que eles pudessem realmente se levantar e andar de um lado para o outro.

Os pesquisadores podem ter encontrado a resposta

Marte tem cerca de 40% da gravidade da Terra e isso ainda pode ser altamente prejudicial para os astronautas se seus músculos e massa óssea se degradarem em grande medida. Para mitigar isso, seria necessário fazer algo para garantir que eles possam andar, ou até ficar em pé, no planeta vermelho.

“As estratégias dietéticas podem ser fundamentais”, diz o Dr. Mortreux, “especialmente porque os astronautas que viajam para Marte não terão acesso ao tipo de máquinas de exercícios implantadas na ISS”.

Depois de algumas pesquisas usando ratos na gravidade simulada de Marte, a equipe parece ter encontrado um bom candidato – o resveratrol. Este é um composto comumente encontrado na casca da uva e mirtilos que foram amplamente investigados por seus efeitos anti-inflamatórios, anti-oxidantes e antidiabéticos.

Este produto químico também foi mostrado para prolongar o tempo de vida dos ratos.

“Demonstrou-se que o resveratrol preserva a massa óssea e muscular em ratos durante a descarga completa, de forma análoga à microgravidade durante voos espaciais. Portanto, supomos que uma dose diária moderada ajudaria a mitigar o descondicionamento muscular em um análogo da gravidade de Marte também”.

Sob condições controladas, a equipe descobriu que administrar o produto químico diminuía significativamente o enfraquecimento muscular dos ratos. De fato, foi até mesmo capaz de restaurar os músculos enfraquecidos para pré-simular as condições de gravidade de Marte.

Deve-se notar, no entanto, que a proteção não foi completa. Não foi capaz de resgatar inteiramente a área transversal média das fibras de sóleo e gastrocnêmio ou a circunferência da panturrilha.

Mais trabalho precisa ser feito

Por mais promissores que esses resultados tenham sido, mais trabalho ainda precisa ser feito antes que possa ser considerado uma “bala mágica” para longos vôos espaciais. Por exemplo, quais são as razões para a proteção não completa da massa muscular observada em ratos-teste?

“O tratamento com resveratrol promove o crescimento muscular em animais diabéticos ou descarregados, aumentando a sensibilidade à insulina e a captação de glicose nas fibras musculares. Isso é relevante para os astronautas, que desenvolvem sensibilidade à insulina reduzida”, disse Dr. Mortreux.

Os efeitos anti-inflamatórios do resveratrol também podem ajudar a conservar músculos e ossos, e outras fontes anti-oxidantes, como ameixas secas, estão sendo usadas para testar isso, acrescenta Dr. Mortreux.

“Mais estudos são necessários para explorar os mecanismos envolvidos, bem como os efeitos de diferentes doses de resveratrol (até 700 mg/kg/dia) em machos e fêmeas. Além disso, será importante confirmar a falta de qualquer interações potencialmente perigosas do resveratrol com outras drogas administradas a astronautas durante missões espaciais.”

O estudo original foi publicado na revista Frontiers in Physiology.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.