Desde 2007, há um tipo de sinais vindos do espaço que intrigam os astrônomos. Da Terra eles são percebidos como breves explosões de rádio, um milissegundo e muito fraco. Mas essa percepção é apenas devido à sua origem remota. Nesse milissegundo de brilho, eles emitem tanta energia quanto o Sol em 80 anos. Atualmente não se sabe que tipo de objetos produzem o FRB (rajadas rápidas de rádio, por suas siglas em inglês), ainda que exista um bom número de hipóteses.

Até agora, 85 desses sinais foram descobertos, mas apenas um deles, o FRB 121102, foi localizado com precisão suficiente para conhecer sua galáxia de origem. Aquela agitação também foi bastante particular dentro de uma família em si estranha. Foi um dos dois que depois de descobertos foram repetidos. No resto dos casos, apesar de olhar na mesma direção do céu, as explosões se revelaram um fenômeno único.

Pesquisadores tentando desvendar esse mistério cósmico conseguiram mais um pouco de informação nesta semana. A revista Science publicou o trabalho de uma equipe internacional de cientistas tem, pela primeira vez localizado FRB não foi repetido. Um grupo liderado pelo pesquisador australiano CSIRO Keith Bannister criado um sistema para localizar esses pulsos extremamente curtos e poderia descobrir FRB180924, como avaliado a nova descoberta, ele havia emergido da periferia de uma galáxia do tamanho da Via Láctea 3.600 milhões de anos-luz da Terra.

A nova informação obtida com o telescópio de rádio australiana ASKAP e reforçada com vários telescópios ópticos grandes em todo o mundo, também não esclareceu a natureza desses sinais, uma questão que tem gerado dezenas de teorias para uma explicação. 

A galáxia da qual tinha vindo a primeira explosão de origem conhecida era pequena e nasceu um monte de estrelas, uma atividade que, pensava-se, poderia estar por trás do fenômeno. No entanto, a galáxia desta FRB é 1.000 vezes mais massiva e dificilmente novas estrelas são formadas. “Isso significa que os FRBs podem vir de uma ampla gama de galáxias e ambientes. Não parece que condições especiais sejam necessárias para que ocorram “, diz Bannister.

A nova observação pode significar que várias teorias sobre a origem das rajadas de rádio rápidas estão corretas “ou que nenhuma delas é!”, Continua o líder da investigação. 

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.