Pesquisadores que trabalham nas instalações tokamak da China anunciaram que a equipe foi capaz de manter plasma a 120 milhões de graus Celsius por 1.056 segundos. Em seu anúncio à imprensa, eles observaram que sua conquista foi um novo recorde para a retenção de plasma superaquecido.

O tokamak é um dispositivo experimental projetado para confinar plasmas de alta temperatura numa região com a forma de um toróide, usando para isso campos magnéticos intensos.

O trabalho é dedicado ao desenvolvimento da fusão como fonte de energia que pode substituir usinas a carvão e provavelmente outras usinas de recursos renováveis. A ideia básica é imitar o sol, que produz luz e calor por fusão. Átomos vibrantes ficam tão excitados quando aquecidos a altas temperaturas que seus núcleos se fundem. No sol, os átomos envolvidos são hidrogênio. Quando se fundem, formam hélio-4, um elemento mais leve que os quatro núcleos originais. A diferença de massa é emitida como energia térmica, que é liberada do sol como luz e calor. Os cientistas trabalham há muitos anos para replicar o processo em instalações como o tokamak. Em tais instalações, pequenos números de átomos são aquecidos a temperaturas muito altas usando microondas, criando plasma, e são impedidos de queimar a instalação em forma de donut que os contém, mantendo-os no lugar com ímãs e revestindo o perímetro em torno deles com materiais que podem sustentar temperaturas muito altas, como o carbono.

No tokamak, os átomos de trítio e deutério são aquecidos a temperaturas muito altas – até o ponto em que começam a se fundir – aproximadamente 150 milhões de graus Celsius. Mas fazer isso é apenas uma etapa do processo. Para que uma instalação produza energia de forma contínua, as reações de fusão devem ser autossustentáveis, como é o caso do sol. Portanto, equipes como as das instalações da tokamak têm trabalhado para produzir cenários de reação cada vez mais longos.

Em seu anúncio, a equipe observou que seus resultados mostram que estão se movendo constantemente em direção a seus objetivos. No início do ano passado, eles mantiveram uma amostra de plasma a 120 milhões de graus Celsius por 101 segundos. Eles também afirmam que seu reator foi projetado para copiar o processo de fusão no sol o mais próximo possível; eles se referem às suas instalações como um “sol artificial”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.