A engenharia é uma das artes humanas que mais evolui com os tempos, e com uma rapidez praticamente exponencial… Daí, um engenheiro que não se preocupa em procurar enxergar o que está vindo por aí, e então atualizar-se constantemente, é similar a um motorista que dirige com alta velocidade por uma estrada pouco conhecida e com neblina… O risco de problemas é enorme!

No mais, é uma necessidade intrínseca do ser humano procurar “dar uma espiadinha“ no futuro. Já reparou o sucesso de autores de horóscopos, oráculos, astrólogos, etc.? Já percebeu que você mesmo, de vez em quando, confere seu horóscopo no jornal? É natural!

No entanto, ainda não temos uma máquina do tempo e então não podemos ver o futuro. Afirmar sobre ele, ainda mais em nossa área, a de engenharia, pode provocar erros grosseiros. Alguns exemplos:

“A FOTOGRAFIA NÃO TEM NENHUM VALOR COMERCIAL”  – Thomas Edison, 1880

“ACREDITO QUE EXISTE UM MERCADO MUNDIAL PARA APENAS CINCO COMPUTADORES” – Thomas J. Watson, Chairman of IBM, 1943

“TUDO O QUE PODE SER INVENTADO JÁFOI INVENTADO” – Charles Duell, Commissioner US Office of Patents, 1899

“640K É MEMÓRIA SUFICIENTE PARA FAZER QUALQUER COISA”-  BillGates, 1981

Calma, no entanto: podemos antecipar o futuro! É possível, por curiosidade, observação atenta e técnicas convenientes, efetuar prospecções adequadas que poderão nos entremostrar futuros possíveis, podendo então caminhar para ele, com relativa segurança. Lemos mapas e acendemos faróis de neblina, no carro já citado anteriormente; e aí poderemos acertar o caminho, com sucesso!

E é o que faremos nos próximos “Engenharia em Pauta”!

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Compartilhe:
Publicação anteriorEmpresa substitui 60 mil operários por robôs
Próxima publicaçãoRegras do produto e quociente – DERIVADAS AULA 03 – Aula Grátis
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.