É, meus amigos, já tive a infeliz oportunidade de presenciar muitos desastres em produtos e empresas por seus autores ou empreendedores não pensarem seriamente nos nove pontos contemplados no CANVAS, e na interligação entre eles. Talvez aqui esteja a grande importância da aplicação correta deste instrumento: obrigar-nos, de modo bem simplificado, a pensar de modo bem amplo sobre o nosso projeto ou nossa proposta de empresa, e, melhor ainda, a procurar nossos possíveis usuários ou clientes e perguntar sua opinião… Parece simples, não? Mas vocês ficariam surpresos em ver como tais coisas não são tratadas. Incrível! E se não fizermos isto, o perigosíssimo “achismo” (eu acho que vai dar certo…) vai atuar…

Vamos pensar um pouco sobre estes pontos e sua importância, para verificarmos onde eles podem ajudar o nosso sucesso? Vamos fazer isto de modo breve, pois, como já citei, a aplicação correta do CANVAS já está amplamente divulgada na internet.

Então, vamos iniciar pela Proposta de Valor?  Trata-se aqui do início de todo o processo, pois, como sabemos, qualquer inovação ou projeto começa na detecção da necessidade do cliente. Isto é fundamental! Então, em nossas ideias de produto ou empresa, temos que pensar sobre o que realmente nosso cliente precisa, qual é o real problema dele que estamos procurando resolver. Ou seja, o que nosso produto ou empresa vai fazer com que nosso cliente tenha suas necessidades resolvidas? Veja o caso clássico da telefonia celular: resolveu o problema de permitir a comunicação de qualquer ponto para qualquer ponto, sem necessidade de fios e outras bugigangas… E depois, sabemos a expansão e sucesso deste produto e das empresas que os fabricam! Mais um pouco: depois que os penteados masculinos saíram dos clássicos cortes de cabelo, e ficaram na moda os cortes diferentes e “estilosos” (influência do futebol? Não sei…), quantas barbearias de sucesso foram se abrindo? Em tempo: perigos e oportunidades para estas barbearias – quais serão as novas necessidades de cortes? Tempo de “ficar de olho” e de estar sempre inovando…

Isto pensado, vamos pensar para Segmentos de Clientes. Afinal de contas, para quem estamos criando valor e resolvendo problemas? Isto impactará de modo muito importante outro ponto a pensar, que é o Relacionamento com os Clientes. Aqui, também devemos pensar quais são os nossos clientes mais importantes – sorte da telefonia celular, cujos clientes estão em todas as classes sociais e faixas etárias… Mas, e no caso das barbearias: os clientes provavelmente serão, em sua maioria, do sexo masculino e jovens. Daí, tudo vai depender disto: ambientes descolados, bem ao gosto jovem, com decoração e “papos“ bem de acordo. Um exemplo pessoal: meu dentista, a cada cliente, altera as músicas de fundo do seu consultório, após pesquisa de gosto com cada um dos clientes, já na primeira consulta… No meu caso, que sou medroso, isto me agrada muito!

Agora, seria bom pensar nos Canais de Distribuição, ou seja, como vamos chegar aos nossos clientes e mantê-los? Como vai ser o marketing? Será que nosso processo de marketing, em achar clientes e sempre saber de suas necessidades, para mantê-los e aumentar seu número, está funcionando? É, sempre temos que medir e verificar isto… Qual é o melhor modo para chegar aos clientes, e a um custo/benefício bom e aceitável? “Experts” nisto são as TV’s: valeria a pena uma grande rede deTV colocar um programa infantil no horário nobre?  E nossa barbearia, valeria a pena divulgá-la nesta mesma rede de TV, no horário infantil?

É, meus amigos, temos que continuar refletindo sobre estes pontos do CANVAS! Então, até a próxima semana!

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.
Compartilhe:
Publicação anteriorHá uma reserva gigante de água doce escondida debaixo do Oceano Atlântico
Próxima publicaçãoAs novas telhas solares da Tesla serão mais resistentes e mais baratas
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.